quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Outubro

De amor nada mais resta que um Outubro
e quanto mais amada mais desisto:
quanto mais tu me despes mais me cubro
e quanto mais me escondo mais me avisto.

E sei que mais te enleio e te deslumbro
porque se mais me ofusco mais existo.
Por dentro me ilumino, sol oculto,
por fora te ajoelho, corpo místico.

Não me acordes. Estou morta na quermesse
dos teus beijos. Etérea, a minha espécie
nem teus zelos amantes a demovem.

Mas quanto mais em nuvem me desfaço
mais de terra e de fogo é o abraço
com que na carne queres reter-me jovem.

Natália Correia


10 comentários:

  1. Bela partilha:)
    Deixo um beijo e um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Outubro, outono e tristeza. Nunca concordei com essa relação.
    Mas tens aí um dueto perfeito. Adorei a imagem.
    Beijos SD :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outubro é um mês de perda, será sempre.
      Concordo contigo, é uma trilogia difícil .
      Beijinhos e bom fim de semana.:)

      Eliminar
  3. Bela imagem!
    Gosto do estilo da Natália, ao mesmo tempo, a rasgar e doce.
    Pelo ritmo, poderia parecer uma banda sonora pouco provável... Afinal combina bem!
    Beijos, SD.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto mais me escondo mais me avisto.
      Outubro é isto para mim!
      Mês triste.
      Beijo Isabel.:)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Quando tu quiseres.
      16.09 pm está bem?
      Beijo Manel.:)

      Eliminar
  5. Há uma certa doçura na tristeza. Há mais meses para além de Outubro!

    Beijos, SD.

    ResponderEliminar